quinta-feira, 9 de outubro de 2003

WILLY BRANDT É UMA REFERENCIA PARA TODOS... PS HOMENAGEIA SEU LEGADO EUROPEU!

A Federação de Santarém do PS, neste dia 8 de Outubro, celebrando-se o 11º Aniversário do falecimento do camarada Willy Brandt, ex-chanceler alemão e amigo de sempre de Portugal, não podia deixar de publicamente manifestar o seu reconhecimento pela sua obra e legado.

Gerações inteiras de Alemães e Europeus, ficarão para sempre marcadas pela actividade deste grande estadista, de seu verdadeiro nome Karl Herbert Frahm. Perseguido pelos nazis, esteve na guerra civil espanhola com as Brigadas Internacionais. Durante a Segunda Guerra Mundial viveu na Suécia e na Noruega. Terminada a guerra, voltou à Alemanha. Entre 1957 e 1966 é burgomestre (Presidente de Câmara) de Berlim. A partir de 1964 é chefe do SPD (Socialista) Alemão. Em 1966, num governo de coligação com os cristãos-democratas, é ministro dos Negócios Estrangeiros. Em 1969 é nomeado chanceler (Primeiro Ministro). PreconizOU a abertura ao Leste (Östpolitik) da política externa alemã ocidental e, em 1971, recebe o Prémio Nobel da Paz pela sua política conciliadora. Em 1974 vê-se obrigado a demitir-se em consequência de um caso de espionagem. Viveu o suficiente para conhecer a destruição do Muro de Berlim e a reunificação das duas Alemanhas.

Desde sempre um forte amigo de Portugal e dos Portugueses, emigrados aos milhares na Alemanha que geria, nos anos 60 e 70, Willy Brandt deu passos significativos, transformando a Alemanha no hoje conhecido “Motor económico” da Europa.

A liderança da Internacional Socialista, sob a sua égide, impôs significativas mudanças estratégicas no contexto europeu : abertura aos Países de Leste – que para o ano entrarão na União Europeia e a estabilização política em países como Portugal, Espanha e Grécia.

Homem de fortes convicções, líder europeu de recorte ético pouco comum, Willy Brandt constitui para todos os Socialistas, e não só, um claro exemplo, de que todos os povos necessitam em cada momento de coragem, determinação e respeito democrático. Da democracia, aliás dizia : "Não podemos criar a democracia perfeita; nós queremos uma sociedade que ofereça mais liberdade e que exija maior co-responsabilidade…"