terça-feira, 6 de janeiro de 2004

GOVERNO "FICA" COM DINHEIRO DADO PARA AJUDA ÀS VITIMAS DOS FOGOS NO DISTRITO

A Federação Distrital de Santarém do PS, os seus Deputados e Autarcas têm vindo a alertar, já há algum tempo, para os riscos de cheias nas localidades junto ao Rio Tejo, como Santarém, Almeirim, Alpiarça, Chamusca, Abrantes, Constância, Vila Nova da Barquinha, Benavente, Coruche e Cartaxo. Estas zonas são, por tradição, as mais susceptíveis, agravadas pelas elevadas áreas ardidas durante o Verão.

A falta de trabalhos de manutenção e conservação dos diques no Distrito de Santarém, da responsabilidade do Instituto da Água (INAG), faz temer que, em caso de cheias, esta falta de cuidado venha a tornar-se tão gravosa como os fogos que assolaram o País no passado Verão e que o PS, em devido tempo, vinha a alertar todos os organismos do Estado para a mesma falta de cuidado e prevenção, com os resultados que hoje todos lamentamos.

No que diz respeito à imensa onda de solidariedade que se registou em relação às vítimas dos fogos, quer o Partido Socialista aqui registar e enaltecer os casos exemplares ocorridos no Concelho da Chamusca, onde várias Instituições colocaram de pé um programa de construção de habitações destruídas pelo fogo, parte delas já entregues às vítimas.

Não podemos, no entanto, deixar de lamentar a insensibilidade deste Governo PSD/PP, que faz alarde e apelo à solidariedade dos cidadãos, mas opta por lucrar com essa mesma solidariedade (será para combater o défice?). Senão vejamos:

Na altura em que foi entregue com pompa e circunstância a primeira habitação, onde a acção da Caritas de Santarém, do Banco Espírito Santo e da própria solidariedade nacional, mereceram um relevo muito especial pelo dinamismo e disponibilidade que demonstraram, não faltaram os representantes do Governo a associar-se.

Esqueceram-se de demonstrar a mesma disponibilidade em termos de solidariedade, quando em 13 recuperações de habitações com um custo total de 669.632,85€, este Governo PSD/PP, através da Segurança Social, comparticipou apenas com 86.629,00€, arrecadando através da cobrança do IVA o montante de 106.916,17€!!!

Tal como já tinha acontecido com a cobrança de IVA sobre as chamadas telefónicas de solidariedade, que permitiram reunir uma verba importante para resolver algumas destas situações, a Ministra Manuela Ferreira Leite volta a demonstrar uma enorme falta de solidariedade, tudo valendo na sua obsessão de um défice que não cumpre, mas que tudo justifica.

Pelo falhanço de política económica que tem levado ao descrédito, ao aumento dramático do desemprego da população e à falência de inúmeras empresas, com as consequências sociais que daí advém, não resta ao Primeiro Ministro outra solução que não seja a de, a curto prazo, proceder a uma remodelação de Governo, onde esta Ministra das Finanças está claramente na grelha de saída...