quarta-feira, 5 de maio de 2004

CONCURSO DE PROFESSORES - O CONCURSO DAS RECLAMAÇÕES

A Federação do PS de Santarém, através do Departamento da Educação, manifesta grande preocupação e perplexidade pelo caos que está instalado em mais um Concurso de Professores. Mais uma vez o Ministério tutelado por David Justino não conseguiu evitar as irregularidades já verificadas no Concurso para o ano lectivo 2003/2004. Pelo contrário, em vez de assistirmos à tão desejada regularização do concurso, milhares de professores são desrespeitados vendo a sua candidatura e a sua vida profissional, serem tratados sem rigor e com total irresponsabilidade.

Os erros são diversos, visíveis e absurdos e as reclamações que ocorrerão até à próxima sexta-feira serão prova da dimensão da instabilidade que os Professores e o Sistema Educativo enfrentam:

- Professores excluídos das Listas sem justificação;
- Exclusão dos docentes das regiões autónomas da Madeira e dos Açores;
- Eliminação total do tempo de serviço;
- Contabilização incorrecta do tempo de serviço ora por defeito ora por excesso
- Arredondamentos feitos sem critério, ora por defeito ora por excesso...;

São apenas algumas das situações que estão a originar as respectivas reclamações, prevendo-se no total um envolvimento de cerca de 40 mil professores. Estamos perante um Concurso das Reclamações.

O Ministério da Educação já informou que vai elaborar uma 2ª Lista a publicar ainda durante o mês de Maio, havendo depois lugar a uma nova Fase de reclamações. Considerando que a actual Lista, completamente descredibilizada vai servir de documento de trabalho, como podem os Professores aguardar com serenidade a regularização da sua situação? Vão aguardar sim, mas com ansiedade e muita preocupação.

A excessiva e precipitada centralização dos serviços, com a extinção dos Centros de Área Educativa e a criação de novos Centros de Apoio Social Escolar que ainda ninguém sabe muito bem como vão ser operacionalizados, e como vão responder aos problemas que as escolas têm, o novo modelo de concurso e o sistema de candidatura online sem ser devidamente testado e avaliado internamente e que já está a provocar atrasos nas colocações, a falta de apoio técnico-pedagógico e administrativo que as escolas e os professores hoje sentem e vivem, uma Lei de Bases da Educação que não serve as necessidades da nossa Educação, são alguns aspectos que nos levam a prever infelizmente um ano lectivo 2004/2005 com graves problemas de funcionamento.

Até quando?

Valerá por enquanto a boa vontade e o empenho dos Conselhos Executivos, dos Professores colocados e de toda a Comunidade , pois estamos perante um sistema educativo em que todos sentimos estar cada vez menos a responder às necessidades da nossa sociedade e do nosso País.