segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Duas candidatas ao Departamento Nacional das Mulheres Socialistas

Lisboa, 23 fev (Lusa) – A deputada Manuela Augusto candidata-se ao terceiro mandato à frente da organização das Mulheres Socialistas, defrontando a líder daquela estrutura em Setúbal, a também deputada Catarina Marcelino.


Maria Manuela Augusto reivindica para a organização que quer continuar a liderar parte do mérito de ter sido produzida “a principal legislação” em matéria de questões de igualdade de género, nomeadamente a lei da paridade e a lei da interrupção voluntária da gravidez.

(http://www.parlamento.pt/DeputadoGP/Paginas/Biografia.aspx?BID=1172)

Catarina Marcelino quer levar para as Mulheres Socialistas “mais proatividade” que, considera, tem faltado à organização, propondo-se a estabelecer uma “rede de mulheres autarcas” e uma “ligação mais forte aos departamentos federativos”.

(http://www.parlamento.pt/DeputadoGP/Paginas/Biografia.aspx?BID=2522)

As candidatas andam pelo país a recolher apoios para a eleição direta que decorrerá em simultâneo com a eleição do secretário-geral, a 25 e 26 de março.

Manuela Augusto conta com o apoio de Edite Estrela, sua mandatária nacional, de Maria Barroso, mandatária honorária, de Celeste Correia, presidente da comissão de honra, de Maria de Belém Roseira, Dalila Araújo, de Maria da Luz Rosinha (autarca de Vila Franca de Xira), Susana Amador (autarca de Odivelas) e de Amélia Antunes (autarca do Montijo).

Catarina Marcelino reuniu o apoio da ministra do Trabalho, Helena André, da deputada e ex-secretaria de Estado Ana Paula Vitorino, assim como das governadoras civis do Porto, Évora e Santarém e, sublinhou, “sobretudo de muitas mulheres de todo o país”.

“Neste momento que estamos a viver, o departamento das mulheres socialistas tem que ser uma estrutura mais forte, mais proativa, mais presente no terreno e precisa de alguém que reúna essas condições de proatividade”, explicou Catarina Marcelino à Lusa acerca dos motivos da sua candidatura.

Catarina Marcelino defende a abertura de um processo de “discussão interna dentro do Partido Socialista sobre a missão do departamento [das Mulheres Socialistas], que foi criado antes da lei da paridade”.

Manuela Augusto afirma-se “confiante no trabalho feito” nos últimos dois mandatos e considera que “agora é necessário avançar no patamar da afirmação da igualdade, na legislação, na sociedade e dentro do partido”.

“A principal legislação que hoje existe surgiu durante os últimos dois mandatos deste departamento”, sublinhou Manuela Augusto, que defende uma “afirmação” dos princípios conquistados, também dentro do partido, onde, considera, “é preciso que as mulheres avancem para concorrer, a par com os homens, à presidência dos diferentes órgãos do partido”.

ACL.
Lusa

A Candidata Catarina Marcelino estará esta Quinta-feira (24) às 21H30, na Sede da Federação de Santarém e Maria Manuela Augusto, na próxima Segunda-feira (28) à mesma hora.